Arquivo | maio, 2009

Chifre em cabeça de cavalo?

29 maio

Se é verdade que um simples bater de asas de uma borboleta pode provocar um tornado, é verdade também que um sinal dessas “radiozinhas piratas” pode derrubar um avião.
Se esse sinal derrubar um avião a grande imprensa, através da sensibilização e do apelo popular, criarão o senso comum de que é preciso fechar todas as rádios comunitárias. E, de maneira alguma permitir-lhes qualquer concessão.
Se esse senso comum for criado, será o próprio povo que se encarregará de denunciá-las e, quem sabe até, fechá-las. Além de não aceitar que se abram concessões a tais veículos. 
O efeito social da mídia, que faz a seleção dos temas que pautam a sociedade, fixam termos de referência como prioritários, fazem com que a agenda midiática se firme na agenda pública, tornando o tema  um objeto de discussão na sociedade. E, mais do que isso, se impõe, como verdade.
Teoria do caos? Chifre em cabeça de cavalo? Catastrofismo?
Sinceramente, eu não duvido que isso aconteça: que um avião seja derrubado para colocarem a culpa nas rádios comunitárias e que tudo o que escrevi acima aconteça. Foi exatamente o que eu pensei ontem, quando ouvi a tal notícia dos “problemas aéreos” ocorridos em Congonhas.
1ª Conferência Nacional de Comunicação
Quem ainda não se deu conta, a grande mídia é um dos maiores entraves para os movimentos sociais. Estamos às vésperas da 1ª Conferência Nacional de Comunicação e os movimentos sociais precisam se envolver nesse debate.

Deve ser uma prioridade a participação efetiva, ativa no processo da Conferência. Será um momento ímpar para desmascarar a mídia hegemônica e criar brechas de democratização da comunicação, como o estímulo às rádios e TVs comunitárias, inclusão digital, rediscussão das concessões públicas.
Se alguém tem a pretensão de disputar a consciência dos trabalhadores, precisa se dar conta do papel da mídia.
Anúncios

Estão criando um monstro

28 maio

O jornalista Bruno Monteiro – ou o meu amigo Bruninho – escreveu no seu blog um texto muito legal sobre as “brincadeiras” do patrão Silvio Santos com a menina Maisa. 

Eu acho que tu também deverias ler. Vale muito. Clica aqui.

Uma lembrança

27 maio

Minha irmã me enviou essa foto da Sta. Quando vi, logo desabei a chorar… assim como chorava toda noite, junto com ela, quando tinha que colocar esse aparelho aí nas perninhas da minha pequena. 

Ainda bem que passou e que hoje ela tem pernas perfeitas. 
Agora é só uma lembrança.

07 anos sem João

27 maio
Hoje é aniversário de uma grande perda. Em maio de 2002, João Amazonas desapareceu. De lá pra cá muita coisa mudou. Muito mais do que o velho João poderia supor. 

Em mim restaram as idéias que aquele velhinho defendeu entusiasticamente durante toda sua vida: a defesa dos ideais humanitários, idéias de liberdade, de igualdade, de democracia, de um mundo de homens e mulheres donos de seus próprios destinos. Foi a semente lançada ao solo.
E em algumas trocas de e-mail, Jussara Cony e eu resolvemos publicar hoje o poema abaixo. Entretanto, achei que deveria publicar também a mensagem que a Ju me enviou…

“A vida é algo… e a gente vai aprendendo, apreendendo, aprendendo. E quanto mais se aprende, mais saudades ficam pelos caminhos….Sei lá, isso me veio do coração quando estou a te enviar o poema que fiz para o João, no dia em que, na reunão do CC, ele nos solicitou que o dispensássemos de continuar exercendo a Presidência do Partido. Disse algo que procurarei traduzir na mais próxima fidelidade “continuarei trabalhando, até o último dia. Continuem. Tive de sair da sala da reunião (num Hotel, em SP), desci um andar pelas escadas, papel e caneta na mão e, em lágrimas, soluçando, me deu uma saudade imensa, do tamanho da imensidão do que já tinha podido viver até ali e escrevi para o João o que te envio, Soninha, para que faças em nome de todos os que querem e lutam por um novo horizonte (como dizia, também, o João), mesmo que, às vezes, em circunstâncias as mais adversas, uma homenagem a nosso timoneiro, a nosso velho e sempre jovem timoneiro. Beijos. Ju”
João,
teu nome e tua vida
rimam com pão,
trabalho e liberdade!
Amazonas,
a grandiosidade do rio
que corre em simbiose
com a floresta, os animais,
os homens e as mulheres,
artífices de um mundo novo.
João,
nome de peão,
de doutor, de professor,
nome do caboclo
e do gaúcho que campeia os pampas
na busca da transformação.
Amazonas,
derramando ensinamentos
e gestando, na luta em turbilhão,
a construção do novo
que brotará do povo
como, de sua unidade,
virá a Revolução!
João Amazonas,
companheiro,
amigo, camarada,
brasileiro,
homem do mundo.
Do mundo livre que queremos!
Timoneiro, rumo ao porto seguro
da Paz, da Soberania, da Liberdade,
contidas pela exploração e opressão.
João Amazonas…
Derramando amor
pela REVOLUÇÃO!

Tietagem

26 maio
Eu sou fã! Tiete mesmo do Custe o Que Custar, o CQC das noites de segunda-feira e sábado.

Acho que foi a melhor sacada da televisão nos últimos tempos. Um programa inteligente, alto astral, feito por gente inteligente e alto astral. Combinação perfeita.
Marcelo Tas, é jornalista, ator, apresentador, roteirista e diretor de TV e rádio. Danilo Gentilli é publicitário, humorista, escritor e cartunista. Felipe Andreoli é “jornalista por natureza”, frequentador das redações desde os 6 anos de idade. O gaúcho Rafinha Bastos é ator e jornalista. Rafael Cortez é ator, músico e jornalista. Oscar Filho é ator e humorista. E, Marco Luque, que deixei por último por ser meu ídolo do “Terça Insana” é ator, locutor e artista plástico.
Além dos cabeçalhos de cada um, o que sobra a todos é inteligência, argúcia, sagacidade. Apimentam os fatos e notícias do cotidiano com muito bom humor, tiradas espertas, sem cair no escracho e no baixo nível.
Com essa trupe é informação, entretenimento e alegria garantidos.
O programa mais tchuqui tchuqui da televisão brasileira.

Canção das coisas simples

26 maio
Um se despede insensivelmente de pequenas coisas
O mesmo que uma árvore que em tempos de outono caem suas folhas
No fim a tristeza é a morte lenta das simples coisas
Essas coisas simples que caem doendo no coração
Um volta sempre aos velhos ambientes onde amou na vida
E então compreende com estão ausentes as coisas queridas
Por isso, moço não partas agora sonhando em voltar
Que o amor é simples e as coisas simples o tempo devora.
Fica aqui, na maior luz deste meio-dia
Onde encontrarás pão e sol na mesa servida.
(Cesar Isella e A. Tejada Gómez)

A F A S T E – S E !

25 maio

Com toda a certeza, a pior TPM dos últimos 12 meses!