Arquivo | setembro, 2009

E é a própria poesia

30 set
O homem que tem coragem de proclamar, desnudar ao mundo, gritar aos sete cantos o seu amor, não é um homem. É um poeta.

Só eles, os bardos, os artistas, os vates com suas almas infini-tamente livres são capazes de se desven-darem sem temores.
Mas os poetas e sua bravura de sentir não necessitam estar nos palcos ou nos livros e não precisam ser titulados como artistas. Eles podem e devem estar na vida. Porque adorar, namorar, amar é o que há de mais primoroso e é a própria poesia.
30 set

Território livre

29 set

O presidente Lula mais uma vez dá uma demonstração do seu compromisso com a democracia, com a liberação da internet como território livre para a manifestação do pensamento durante a campanha eleitoral.
O texto aprovado pelo presidente permite a manutenção de sites, blog’s e páginas em redes de relacionamento (orkut, facebook). Permite também a utilização de tecnologias de mensagens eletrônicas, como os torpedos para celular.
É a democracia avançando. Isso aí, meu Presidente! Por essas e por outras que estou contigo desde 1989…

Fim de papo!

29 set
Eu estava com muita vontade de falar de flores, de cores, de alegria e contentamento. Entretanto, não consigo. Como falar de beleza quando, na contramão da história, assisto um povo violentado por um golpe militar, rádios e televisões caladas pela força estúpida das baionetas dementes?
Como falar de encanto com milhares de irmãos apartados de suas habitações pela ferocidade das águas que castigam meu sul?
Como posso falar de exultação quando meu Rio Grande está submerso num mar de imundície, com o bolso dos gaúchos sendo assaltado, aviltado por uma corja de bandoleiros protegidos no Piratini?

Ao povo hondurenho

29 set

Vôo agitado

28 set
Já fazia muitos anos que eu não tinha uma viagem como a de ontem. O vôo entre São Paulo e Porto Alegre que normalmente é de 1h20min, demorou quase 2 horas, pois segundo o comandante, ele estaria cumprindo rota alternativa para que a viagem pudesse ser mais tranquila. E mesmo assim não foi.

Das quase 2 horas de viagem, mais de 1 hora e meia foram de intensa turbulência, em decorrência do clima instável, das nuvens extre-mamente carregadas. Eu sou uma pessoa bastante calma com relação a voar, mesmo em situações como a de ontem. Entretanto, me incomoda quando outras pessoas ao meu redor entram em pânico.
Foi o que aconteceu justamente ao meu lado. Duas mulheres estavam aterrorizadas com a turbulência. Uma delas sentada no corredor, com seus 30 e poucos anos e olhos arregalados se abanava com o cartão de procedimentos de emergência o tempo todo. Ao seu lado, na poltrona do meio, um homem lia indiferente, enquanto sentada na janela havia uma jovem, de no máximo 20 anos, que rezava, suspirava, chorava, falava sozinha coisas desconexas, numa clara demonstração de histerismo. E o homem entre as duas, permanecia impassível, apático, sem qualquer gesto solidário ou de irritação.
Nem mesmo os comissários de bordo apareceram para qualquer atitude com relação à jovem histérica. Minha vontade era de pregar-lhe uma bofetada daquelas.

Eu com-preendo o pavor, pois sinto um medo inexplicável ao andar de carro em auto-estrada com alguém dirigindo que não seja eu. Isso passou a acontecer desde que sofri um acidente, muitos anos atrás. De lá pra cá, fico extremamente temerosa de viajar de automóvel se o controle não for meu. Nem por isso, deixo as pessoas à minha volta nervosas e inseguras. Controlo ao máximo minhas emoções de terror.
Tamanho foi o meu alívio ao ver a aeronave pousar e aquela menina sair correndo da mesma. Espero que tão cedo ela não precise embarcar em um avião e, se precisar, que as terríveis intempéries que acamparam cá para o sul, já tenham partido.

Não precisa dizer mais nada, né?

27 set

Em seminário sobre educação promovido pelo PSDB em Natal, com a presença de José Serra e Aécio Neves, foram distribuídos os adesivos acima.
BraZil?