Arquivo | julho, 2010

Coisas inatingíveis?

31 jul

“Se as coisas são inatingíveis Ora… não é motivo para não querê-las Que tristes os caminhos Se não fora a presença distante das estrelas.”

Nasci em Alegrete, em 30 de julho de 1906. Creio que foi a principal coisa que me aconteceu. E agora pedem-me que fale sobre mim mesmo. Bem! Eu sempre achei que toda confissão não transfigurada pela arte é indecente. Minha vida está nos meus poemas, meus poemas são eu mesmo, nunca escrevi uma vírgula que não fosse uma confissão. Ah! mas o que querem são detalhes, cruezas, fofocas… Aí vai! Estou com 78 anos, mas sem idade. Idades só há duas: ou se está vivo ou morto. Neste último caso é idade demais, pois foi-nos prometida a Eternidade.

Nasci no rigor do inverno, temperatura: 1grau; e ainda por cima prematuramente, o que me deixava meio complexado, pois achava que não estava pronto. Até que um dia descobri que alguém tão completo como Winston Churchill nascera prematuro – o mesmo tendo acontecido a sir Isaac Newton! Excusez du peu… Prefiro citar a opinião dos outros sobre mim. Dizem que sou modesto. Pelo contrário, sou tão orgulhoso que acho que nunca escrevi algo à minha altura. Porque poesia é insatisfação, um anseio de auto-superação. Um poeta satisfeito não satisfaz. Dizem que sou tímido. Nada disso! sou é caladão, introspectivo. Não sei porque sujeitam os introvertidos a tratamentos. Só por não poderem ser chatos como os outros?

Exatamente por execrar a chatice, a longuidão, é que eu adoro a síntese. Outro elemento da poesia é a busca da forma (não da fôrma), a dosagem das palavras. Talvez concorra para esse meu cuidado o fato de ter sido prático de farmácia durante cinco anos. Note-se que é o mesmo caso de Carlos Drummond de Andrade, de Alberto de Oliveira, de Erico Verissimo – que bem sabem (ou souberam) o que é a luta amorosa com as palavras.

(Texto escrito pelo poeta para a revista IstoÉ de 14/11/1984 – Fotos de Liane Neves)

Dupla homenagem: aos 104 anos de nascimento de Mário Quintana e aos 50 anos da minha comadre, amiga e nossa candidata ao Senado Abgail Pereira, para quem dedico a doçura de Quintana.

Conquistar a América… de novo!

30 jul

Rio Grande do Sul, do Brasil, do Mundo…

27 jul

Linda festa

26 jul

Na noite do sábado, participei de uma linda festa, com a presença de cerca de mil militantes, apoiadores e amigos do PCdoB, em Caxias do Sul. Já fazia muito tempo que não participava destas festas do PCdoB de Caxias, que nem lembrava do quanto elas são animadas e divertidas.

Além disso, o reencontro com muitos amigos, a convivência com pessoas queridas, gente que é de luta, é de briga e é, acima de tudo, gente com a marca da alegria do povo brasileiro.

Foi um evento que marcou a arrancada do Partido para a grande disputa de 2010, por isso, o destaque da festa foram os candidatos Assis Melo – deputado federal e Guiomar Vidor – deputado estadual. Entretanto, também contou com a presença do Senador Paulo Paim, que concorre a reeleição, ao lado da minha grande amiga e comadre Abgail Pereira, cuja festa também serviu para comemorar seu aniversário. Abgail Pereira – a Biga, estará completando 50 anos de vida, no próximo dia 30, tendo iniciado sua militância aos 16.

Tenho muito orgulho das minhas origens nesta terra de gente honesta, trabalhadora e de princípios sólidos.

Leia mais…

Barreto – o especialista (em sexo dos anjos)

25 jul

Já estou há algum tempo sem escrever aqui, pois falta-me tempo. Tenho muitas coisas para contar, mas confesso que agora, 3h30 da manhã, não tenho muita disposição e estou bastante cansada, mesmo assim, vou tentar falar sobre um fato que me deixou bastante indignada – furiosa, para ser mais exata.

Assisti à reportagem do nosso presidente Lula, no qual ele se emocionou e chorou ao falar daquelas pessoas que ainda sofrem com a extrema pobreza.

Como sabemos, as emissoras de televisão conseguem achar “especialistas” para tudo, inclusive para o sexo dos anjos. Pois foi um desses ditos especialistas, com um tal título de cientista político, um rapaz que não lembro o primeiro nome, mas com certeza seu sobrenome é Barreto, que deu a opinião mais revoltante que alguém poderia ter dado, acerca da emoção que tomou conta de Lula.

Disse, mais ou menos o seguinte, o tal moço metido a sabe-tudo: “O presidente Lula tem como principal característica a esperteza para comover as pessoas. Suas lágrimas revelaram mais uma artimanha, uma jogada de marketing do presidente. É desta forma que ele mantém sua popularidade”.

Já que estamos falando de um “cientista” político, gostaria de ter a oportunidade de pedir ao moço dotado de tão profunda análise científica que me explicasse algumas coisas que minha parca inteligência não conseguiu alcançar. Por exemplo: esperteza, malandragem e jogada de marketing, só tem sentido se for para obter alguma vantagem.

No caso de Lula, a popularidade só lhe seria vantajosa se ele tivesse que angariar simpatia popular para receber votos, por exemplo. Entretanto, o presidente não é candidato a nada. Como será que o nosso cientista, se questionado, me explicaria isso? Mas, por óbvio, ele não foi e nem será questionado, pois os veículos colocam um babaca qualquer, com o nome de especialista, para falar qualquer caca e isso passa a ser considerado verdade absoluta.

O que eles jamais vão conseguir engolir é que a popularidade de Lula vem precisamente do fato de ele não precisar dissimular, vem do fato de Lula ser um homem comum, que sente, que se emociona, que se indigna e chora diante do fato de ainda haverem pessoas que não têm um prato de comida. A popularidade do Lula, senhor Barreto, vem do fato de ele ser gente. Gente como a gente.

Dr. Sabichão pensa que sabe tudo

21 jul

Algumas pessoas insistem em menosprezar a capacidade intelectual dos outros, principalmente se estas possuem o dom do palavrório, enquanto a outra não consegue exprimir com a mesma desenvoltura seus pensamentos.

O fato de elas não apregoarem suas opiniões, não significa que não às tenha. Muitas vezes, tidas como parvas, são muito mais argutas e inteligentes que aquele de grande alocução.

Entretanto, o segundo se acha superior e passa a depreciar aquele que, em verdade, ri intimamente do que se julga supino.

Cruzo alguém assim, à começar pousando de gente da capital desprestigiando o povo do interior, com pinta de doutor, máscara de PhD e estilo de sabichão defecando Lei pra tudo quanto é lado.  Eu confesso que isso me diverte. Dou risada ao fazer de conta que ele é quem realmente manda alguma coisa, finjo que obedeço e deixo-o acreditar que ele é o sabe-tudo e eu, pobre burrinha, não sei de nada. Na prática, são outros 500.

Pé na estrada

19 jul

Aqui no RS estamos “virando sapos”, de tanta chuva!

Mesmo assim, passei o findi no litoral, dando e recebendo colinho da minha pequena.  A saudade já nem cabia mais no peito. Entretanto, encarar a rodovia com tanta chuva, não é moleza.

Há quem diga (e justifique a cobrança) que estradas pedagiadas são bem cuidadas, não é verdade? Não é bem assim: a nossa “Freewai”, que liga Porto Alegre até Osório cobra R$ 10,50 na ida e R$ 3,50 na volta dos cerca de 100 km. Quem, como eu, encarou a mesma neste fim de semana, constatou que há diversos pontos onde a água se acumula sobre a pista, provocando aquaplanagem. Um grande perigo.

Hoje, inicio uma nova fase e um retorno às minhas origens com a tarefa de ajudar na campanha para deputado estadual do Guiomar Vidor, acompanhá-lo nas agendas, fazer a cobertura jornalística e fazer a manutenção das mídias da web.

Além disso, claro, fazer a minha campanha particular com tanta gente amiga que por aqui deixei e reencontro à partir de hoje. Então, mãos à obra!