Nós, os sujinhos!

21 ago

O candidato tucano, José Serra, afirmou ontem que o Governo Federal financia “blog’s sujos”, que, segundo ele, fazem patrulhamento à mídia. A bravata tucana não podia ter acontecido em melhor palco: o congresso de Jornais.

Eu nem condeno o pobre diabo, por falar assim. É o desespero. E o desespero desequilibra, mesmo.

Ele tem lá seus motivos para destilar seu ódio contra nós – os sujinhos.

Serra e o PIG (Partido da Imprensa Golpista) estão de cabelo em pé, afinal, começou hoje, com uma linda festa, o primeiro Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas.

O evento iniciou com um belíssimo espetáculo de chorinho e MPB, do respeitadíssimo blogueiro Luis Nassif, banda e cantoras convidadas. E começou desta forma para que aqueles que, em sua maioria, só se conheciam através do mundo virtual, pudessem se conhecer no real.

Diversos personagens e referências da blogosfera passaram ao microfone para saudar os presentes. O público é composto de blogueiros, estudantes, comentaristas, tuiteiros, etc.

Luiz Carlos Azenha (Vi o Mundo), Rodrigo Viana (Escrevinhador), Miro Borges (Blog do Miro), Conceição Oliveira (Maria Frô) e Luis Nassif, entre outros, cumprimentaram os participantes.

Foi Luis Nassif que afirmou que o ataque de José Serra aos blog’s e blogueiros, acabava de ofertar à blogosfera o atestado de maioridade. Ele relembrou as afirmações do tucano, deixando claro que, se estamos com o poder de pautar a mídia, significa que crescemos e ganhamos musculatura, o que tornava ainda mais significante o Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas.

Cloaca (do Cloacanews), foi bastante aplaudido, pois havia uma curiosidade generalizada de saber quem era esse blogueiro que vem abalando a blogosfera e incomodando o PIG (Partido da Imprensa Golpista).

Amanhã segue o Encontro e na sequência eu conto mais.

Anúncios

Blogueiros Progressistas

20 ago

Já cheguei em São Paulo para participar de um encontro, que certamente será um marco na luta pela democratização da comunicação no Brasil. Começa hoje o 1° Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas.

Uma prova de que é verdade o que disse, acima, é a proposta de Carta dos Blogueiros Progressistas. Confira abaixo:

“A liberdade da internet é ainda maior que a liberdade de imprensa, na medida em que a imprensa compreensiva do rádio e da televisão se define como serviço público sob regime de concessão ou permissão, ao passo que a internet se define como instância de comunicação inteiramente privada.” (Ministro Ayres Britto)

Em 21 e 22 de agosto de 2010, homens e mulheres de várias partes do país se reuniram em São Paulo, no Sindicato dos Engenheiros, com a finalidade de materializarem uma entidade, inicialmente abstrata, dita blogosfera, a qual vem ganhando importância no transcurso desta década devido à influência progressiva que passou a exercer na comunicação e nos grandes debates públicos.

A blogosfera é produto dos esforços de pessoas independentes das corporações de mídia, os blogueiros progressistas, designação que alude a àqueles que, além de seus ideais humanistas, ousaram produzir o que já se tornou o primeiro meio de comunicação de massas autônomo. Contudo, produzir um blog independente, no Brasil, ainda é um ato de heroísmo porque não existem meios sólidos de financiamento para exercer a atividade profissionalmente, ou seja, obtendo remuneração.

Em busca de soluções para as dificuldades que persistem para que a blogosfera progressista siga crescendo e ganhando influencia em uma comunicação de massas dominada por um oligopólio poderoso, influente e, muitas vezes, antidemocrático, os blogueiros progressistas se unem para formularem aspirações e propostas de políticas públicas e pelo estabelecimento de um marco legal regulatório que contemple as transformações pelas quais a comunicação está passando no Brasil e no mundo.

Com base nesse espírito que permeou o 1º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, os participantes deliberaram em favor dos seguintes pontos:

I – Apoiamos o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), de iniciativa do governo federal, como forma de inclusão digital de expressiva parcela do povo brasileiro extemporaneamente alijada de um meio de comunicação de massas como a internet no limiar da segunda década do século XXI, o que é inaceitável e incompatível com os direitos fundamentais do homem à comunicação em um momento histórico em que os avanços tecnológicos nessa área já são acessíveis a qualquer cidadão de qualquer classe social nos países em estágio civilizatório mais avançado.

Apesar do apoio ao PNBL, os blogueiros progressistas declaram que, mesmo entendendo a iniciativa governamental como positiva, julgam que precisa de aprimoramento, pois da forma como está ainda oferece pouco para que a internet possa ser explorada em todas as suas potencialidades. A velocidade de processamento a ser oferecida à sociedade sem cobrança dos custos exorbitantes da iniciativa privada, por exemplo, precisa ser ampliada ou não realizará aquilo a que se propõe.

2 – Defendemos a regulamentação dos Artigos 220, 221 e 223 da Constituição Federal, que legislam sobre a comunicação no Brasil e, entre outras coisas, proíbem a concentração abusiva dos meios de comunicação de massa e que dispõem sobre os sistemas público, estatal e privado. Por omissão dos Poderes Executivo e Legislativo na regulamentação da matéria e sob sugestão do eminente professor Fabio Konder Comparato, os blogueiros progressistas decidem mover na Justiça brasileira uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) com vistas à regulamentação das leis que determinam profundas alterações na realidade da comunicação no Brasil supra descrita e que vêm sendo solenemente ignoradas.

3 – Combatemos iniciativas que tramitam no Poder Legislativo tais como o Projeto de Lei de autoria do senador mineiro Eduardo Azeredo, iniciativa que se notabilizou pela alcunha de “AI-5 digital” e que pretende impor restrições policialescas à liberdade de expressão na rede mundial de computadores, bem como as especulações sobre o que se convencionou chamar de “pedágio na rede”, ou seja, a possibilidade de os grandes grupos de mídia poderem veicular seus conteúdos na internet com vantagens tecnológicas como capacidade e velocidade de processamento em detrimento do que for produzido pelos cidadãos comuns e pelas pequenas empresas de comunicação.

4 – Reivindicamos a elaboração de políticas públicas que incentivem a veiculação de publicidade privada e oficial remuneradas nos blogs, bem como outras formas de financiamento que efetivamente viabilizem essa forma de comunicação representada pela blogosfera progressista, de maneira que possa ser produzida por qualquer cidadão que disponha de competência para explorar seu potencial econômico e comercial, exatamente como fazem os meios de comunicação de massas tradicionais com amplo apoio do Estado por meio de fartas verbas públicas que, com freqüência, são repassadas sob critérios meramente políticos e que ignoram a orientação constitucional que determina pluralidade na comunicação do país.

5 – Cobramos dos Poderes Executivo e Legislativo que examinem com seriedade deliberações da 1ª Conferência Nacional de Comunicação (Confecom) como a da criação do imprescindível Conselho Nacional de Comunicação.

6 – Deliberamos pela instituição de um Encontro Anual dos Blogueiros progressistas, que deve ocorrer, sempre que possível, em diferentes capitais para que um número maior de unidades da Federação tenham contato com esse evento e, em algum momento, com o universo da blogosfera.

7 – Lutaremos para instituir núcleos de Apoio Jurídico aos Blogueiros Progressistas, no âmbito das tentativas de censura que vêm sofrendo sobretudo por parte da classe política e de grandes meios de comunicação de massas.

São Paulo, 22 de agosto de 2010.

Ah, eu sou macaco!

20 ago

Sempre levarei comigo!

20 ago

O Inferno Vermelho

19 ago

Foi Maragato!

19 ago

Dizem que Deus é brasileiro.

Estou com Teixeirinha e afirmo que Ele é gaúcho, de espora e mango. Foi maragato*.

Não vou falar da emoção que senti, pois não há como explicar.

Sou bi-campeã da América, rumando ao bi-mundial Interclubes da Fifa (da Fifa, entenderam?).

Desculpe! Meu time não me permite ser humilde!



* Maragato é o termo usado aos revolucionários gaúchos de 1893, que usavam um lenço vermelho.

Aqui não é Marte, mas…

18 ago

Aqui não é Marte, mas o planeta está voltando a ficar vermelho…

Eu sei que é uma baita contradição o que vou dizer, mas trata-se da verdade legítima. Ser colorada é imensa alegria, orgulho, paixão, felicidade. Entretanto, hoje, véspera da decisão da Copa Libertadores da América e na iminência de sermos bi-campeões, a alegria mistura-se a um outro sentimento que me perturba, me inquieta, me atormenta.

Um nó na garganta, um friozinho na barriga, um desassossego vão tomando conta de mim e, por mais que eu tente pensar em outras coisas, somente a perspectiva do dia de amanhã, a possibilidade de repetir a sensação de 2006 e, por mais confiante que esteja, o medo de que algo impeça tal façanha, me deixa tensa e com idéia fixa.

Amanhã, me perdoem, mas não me peçam nada que não esteja relacionado ao Inter. Não me peçam, pois não vou te atender, é certo. Então, evitemos problemas, pois meu estado emocional não me permite desviar do foco.

Na realidade, o meu querido amigo de Ijuí, Adriano Daltro, definiu mais ou menos assim: “peço aos amigos que não marquem nada para mim na próxima quarta, 18. Arrumei um serviço extra e grande: tenho que dar a segunda mão de vermelho na América!

Mas, sem esquecer que, em Abu Dhab, vamos dar a segunda mão de vermelho no mundo.

De Luis Fernando Veríssimo na voz do Guerrinha

O passado é prólogo. Certos acontecimentos dão força a esta frase, transformam tudo que veio antes em preliminar, em mero antecedente. Ou, para usar outro termo literário, em prefácio. Você se dá conta de que tudo que houve até ali – toda uma vida, toda uma história – foi simplesmente preparação para aquele certo momento, depois do qual nada será como era. E o passado ganha uma lógica que não tinha. Você passa a entender tudo em retrospecto. Tudo tinha um sentido que você apenas não percebera, na falta do momento máximo. A vitória do Grêmio em Tóquio em 83, os anos medíocres, o quase rebaixamento, as finais desperdiçadas, os vexames, as desilusões – tudo era prólogo para ontem.

Agora ficou claro, agora ficou lógico. O próprio destaque como melhores do mundo conquistado pelo Barcelona e pelo Ronaldinho fazia parte da preparação para o nosso 17 de dezembro, que não teria o mesmo gosto épico se o adversário fosse outro. Tudo era armação para aumentar o brilho e o drama do nosso momento máximo. Tudo se encaixava. Ou você pensa que a saída do Pato e do Fernandão, ontem, foi obra do acaso, esse autor sem imaginação? O resultado de ontem veio sendo construído aos poucos, desde antes da fundação do Internacional, antes de Pedro Álvares Cabral, antes de Homero e das Pirâmides.

E eu sabia que havia uma justificativa histórica para o topete do Gabiru.

Há dias a leitora Poliana Lopes me lembrou de um texto que eu tinha escrito, e esquecido. Ela teve a gentileza de me mandar o texto, e eu peço licença para repeti-lo agora. Era assim:

“Meu caro colorado. Desculpe esta carta a céu aberto, é que não sei nem seu nome nem seu endereço. Na verdade, só vi você na rua, de mãos dadas com seu pai e cercado pelos seus irmãos, que vestiam a camiseta do Grêmio (suponho que fossem seu pai e seus irmãos). Você estava com a camiseta do Internacional. Quase parei o carro para olhar melhor, mas não era miragem. Você tinha uns quatro ou cinco anos e estava de camiseta vermelha! Seu pai vestia uma camisa branca exemplarmente neutra, mas posso imaginar como tem sido a sua vida em casa. As provocações, os petelecos, a flauta, o martírio. E lá estava você de camiseta vermelha, o antigo escudo orgulhosamente no peito, desafiando todas as provações. Não sei se você sabe que vários colorados da sua geração não agüentaram e trocaram de time. Levaram pais e avós ao desespero, mas não suportaram a pressão do sucesso gremista. Você agüentou. Você não sabe, mas é um herói. E fiquei pensando que, quando for a nossa vez de novo, teremos certamente a torcida mais dedicada, fiel, convicta e feliz do Brasil. Porque será a torcida dos que resistiram. Agüente só mais um pouco. Meus respeitos.”

Mas isto tudo também pode ser um sonho.

Se for, por favor: não me acordem.